Seja bem-vindo. Hoje é

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Mais de 20 milhões de brasileiros sofrem com pedra na vesícula

Muito comum a partir dos 40 anos, a pedra na vesícula (ou cálculo biliar) tem maior incidência nas mulheres, numa proporção quatro vezes maior do que em homens

Os cálculos biliares são pequenas pedras que se formam na vesícula biliar, órgão localizado na parte inferior direita do fígado e cuja principal função é armazenar a bile, líquido produzido no tecido hepático que auxilia na digestão das gorduras. A formação das pedras ocorre por um desequilíbrio na vesícula, causando a cristalização do conteúdo da bile, um líquido formado por água, sais biliares, pigmentos e colesterol. “É muito comum a partir dos 40 anos de idade, principalmente nas mulheres”, diz a gastroenterologista Juliana Abbud Ferreira, da Clínica Gastroinclusive.

Não existe ação preventiva para o cálculo biliar, mesmo entre pessoas mais suscetíveis, como obesos, pessoas com história familiar (hereditariedade), e também no sexo feminino. Como se sabe, a prevenção em saúde está no binômio mente(sã)-corpo(são), equilíbrio que se conquista através de boa alimentação, prática de atividade física, diminuição do estresse, entre outros hábitos saudáveis que sempre contribuem para uma melhor qualidade de vida e bem-estar.

O avanço da idade é um fator de risco igual para homens e mulheres - principalmente a partir da 5 e 6 décadas. O emagrecimento rápido, a predisposição genética (irmão, primos, tios que tiveram cálculo biliar) e pessoas com anemia falciforme também compõem o grupo de risco.

A pedra na vesícula ocorre com as mulheres numa incidência até quatro vezes maior em relação aos homens, tendo algumas variantes, como o uso prolongado de anticoncepcionais, a elevação do nível de estrogênio durante a gestação, a reposição hormonal na pós-menopausa e uma ou múltiplas gestões.

Formação do cálculo, sintomas e tratamentos
A bile é produzida no fígado, uma mistura de várias substâncias, como água, sais biliares e colesterol, este responsável por cerca de 75% dos casos de formação de cálculos.
Existem casos assintomáticos, porém quando a pedra permanece no duto biliar, bloqueia o fluxo da bile para o intestino e provoca a cólica biliar persistente, com intensa dor no lado direito superior do abdome, que pode irradiar para as costas ou na região entre as omoplatas (parte superior do tórax, ombro, clavícula).

“Ao ingerir alimento gorduroso, a vesícula se contrai e joga a bile no intestino. Quando se contrai, os cálculos podem obstruir a saída da bile e gerar dor (normalmente meia hora após uma refeição), infecção e inflamação, e pode vir acompanhada de febre, náuseas e vômitos. Mas, por vezes, a pedra também pode voltar para a vesícula, e a crise dolorosa diminui”, ressalta a gastroenterologista.
O cálculo (pedra) pode ter diversos tamanhos, desde o diâmetro de um grão de areia até cerca de 2 cm de comprimento e pode variar em número (quantidade de pedra) e provocar ou não sintomas, dependendo do tamanho.

A palpação do abdômen é importante para saber se já gerou outras consequências. O diagnóstico da pedra na vesícula é feito por ultrassom de abdômen.
O tratamento é realizado com a cirurgia para remoção da vesícula com a(s) pedra(s), podendo ser eletiva, ou seja, pode ser programada com o médico. Apenas algumas situações são de urgência. Os casos de urgência ocorrem quando há infecção, inflamação ou quando a pedra sai da vesícula e desloca-se para o pâncreas, causando a pancreatite aguda.

A cirurgia por laparoscopia, minimamente invasiva, é o padrão de conduta mais indicado e requer pouco tempo de internação hospitalar, menos de um dia nos casos programados. Ao todo, em até duas semanas o paciente retorna às atividades cotidianas.

Diferente da pedra nos rins, neste caso retirar-se a vesícula inteira. O órgão não tem função primordial, apenas a de armazenar a bile produzida pelo fígado. Ao retirar a vesícula, o paciente deve evitar e/ou reduzir a ingestão de alimentos gordurosos para não ter desconforto e dificuldade na digestão, dores abdominais e diarreias.

“O cuidado mais específico é com a alimentação com gordura, que deve ser restrita nos 6 primeiros meses após a cirurgia, até para a readaptação do corpo”, explica Juliana Abbud.

Recomendações:
- Alimente-se de forma saudável, com uma dieta rica em fibras e com pouca gordura - alimentos gordurosos elevam o nível do colesterol;
- Controle o nível do colesterol, isto ajuda a prevenir o diabetes e a hipertensão;
- Mantenha o peso ideal e pratique atividade física;
- Mulheres com histórico familiar de cálculo na vesícula devem conversar com seus médicos sobre a conveniência de tomar pílulas anticoncepcionais ou fazer reposição hormonal;
- Procure um médico gastroenterologista se os sintomas dolorosos de cálculo biliar se manifestarem. Quando seguidos de febre, náuseas e vômitos, recorra a um serviço de emergência de saúde. 

0 comentários :

 
SALVADOR NOTÍCIAS - Notícias, Reportagens, Cultura e Entretenimento.
Todos os direitos reservados desde 2003 / Salvador - Bahia / . Contato: redacao@salvadornoticias.com
- Topo ↑