Seja bem-vindo. Hoje é

domingo, 13 de agosto de 2023

Pai: O maior bloqueio da humanidade

 


A terapeuta Transpessoal Sistêmica Livia Meinking explica como destravar traumas com o pai


O bloqueio paterno atinge cerca de 80% das pessoas no mundo. E o mais grave: muitas delas seguem a vida sem sequer se dar conta destas limitações que têm como origem a relação ou a falta de vínculo com seus pais. Estudo do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aponta que, aproximadamente, 5,5 milhões de crianças brasileiras não possuem o nome do pai registrado na certidão de nascimento. Diante da ausência masculina, mais da metade dos lares brasileiros são chefiados por mães solos. Crianças abandonadas, rejeitadas, que crescem sem presença e afeto dos pais terão bloqueios que comprometem seu desenvolvimento emocional. “O mundo sofre com o bloqueio de paternidade e por isso mesmo homens e mulheres estão precisando de muita ajuda. Quando o pai é uma falta, falta também coragem para o enfrentamento da vida”, alerta Livia Meinking Terapeuta Transpessoal Sistêmica. 

A psicoterapeuta explica que os bloqueios emocionais se instalam no cérebro por meio das experiências vivenciadas e que não foram bem assimiladas. “A depender da forma com que a experiência foi significada, o bloqueio é instalado. A maioria dos bloqueios se instala na infância, quando a criança ainda não tem capacidade para lidar com muitos conteúdos emocionais”. De acordo com a especialista, o bloqueio de paternidade é identificado através da manifestação de vários sintomas, como insegurança, medo de abandono, de rejeição, perda de interesse, codependencia emocional. “São situações que podem ter sido causadas por diversos problemas com o pai ou pela falta dele”, reforça. 


A morte precoce, a presença de um pai com dificuldade de expressar afeto, agressivo, violento e até autor de abusos pode desencadear bloqueios. Um pai que desonrou, maltratou, agrediu a mãe também pode causar bloqueios nos filhos. “Até os pais presentes e perfeitos demais podem causar bloqueios se foram super protetores e davam exagerada atenção aos filhos”, destaca Meinking.


Afinal, existe a possibilidade de não viver esse bloqueio? 


“Dificilmente... Tudo depende da forma como a pessoa significou suas experiências, pois um trauma não é o que aconteceu, mas a maneira como assimilamos”, explica a especialista lembrando que homens com bloqueio de paternidade são inseguros. “Exemplo disso são os grandes ditadores e políticos da humanidade que aprisionaram ou oprimiram as pessoas. Todos eles tiveram bloqueio de paternidade e constatamos o efeito disso justamente através dos seus comportamentos. Eles aprisionavam ou oprimiam porque, no mais profundo, eles eram homens completamente inseguros com seus pais”. 


Já as mulheres que sofrem com bloqueio paterno se tornam, na maioria das vezes, codependentes emocionais, são atacadas e assediadas em diversas esferas, vivem padrões relacionais prejudiciais e abusivos com mais frequência, justamente pela insegurança interna com seus pais. “A falta do pai instala a sensação de desproteção na alma dessa mulher, o que a torna mais vulnerável em relação a quem tem uma figura paterna forte dentro de si”, diferencia. 


A psicoterapeuta destaca que os bloqueios afetam homens e mulheres, mas a maneira como cada pessoa assimila as experiências é muito particular. “Em terapia o trabalho é compreender o significado que dado a essas experiências e transformá-las em bem assimiladas. O caminho é chegar até a raiz do problema, encontrar a causa, a experiência primária do bloqueio, acessar e atravessar a dor e ser transformado por ela. Esse é o verdadeiro desbloqueio emocional”, detalha a especialista que em seu programa terapêutico alia à Terapia Transpessoal Sistêmica, ferramentas como a terapia regressiva e a Constelação Familiar que acessam de forma prática e profunda as causas inconscientes e ocultas dos bloqueios emocionais. “A maioria dessas experiências está no inconsciente e oculta, é preciso dominar as técnicas de acesso para se chegar a elas”.

 


Sobre Livia: 

Livia Meinking nasceu no Dia dos Namorados. É fruto da relação intensa de amor dos pais que só durou até sua infância. A separação aconteceu quando tinha sete anos. Como filha mais velha testemunhou a labuta da mãe para dar conta de criar quatro filhos sozinha. “O lado bom dessa história de superação, é que deu tudo certo e vencemos”, resume. 

Administradora, empreendedora, artista plástica e musicista autodidata, aprendeu a tocar piano com o pai.  “Ele me ensinou a tocar de ouvido, ou melhor, com a alma”. E foi justamente o piano que a ajudou a vencer seu maior bloqueio emocional, o BLOQUEIO DE PATERNIDADE. “Essa foi uma grande travessia de cura, uma grande jornada que iniciei aos 15 anos, foi nessa época que parei de carregar o piano da falta do meu pai. Voltei a tocar conduzida por ele e pude TOMAR meu pai de volta em meu coração e, finalmente, dizer: PAI você tem um lugar, você é o meu pai e eu sou a sua filha, apesar de tudo”. 

Casada e mãe de dois filhos, Livia se dedica ao trabalho terapêutico desde 2015. Nas suas sessões – remotas e presenciais – busca ser instrumento para que mais pessoas possam resolver seus conflitos emocionais, aprender a cuidar melhor de si, liberando-se dos pesos das experiências não assimiladas para não repetir padrões prejudiciais de vinculação nos novos relacionamentos. O piano se tornou o símbolo do seu trabalho que tem atraído pessoas que desejam tocar a vida adiante com mais leveza. “Uma pessoa ferida, fere outras pessoas. Uma pessoa bloqueada, bloqueia outras pessoas. Quem cuida das suas dores emocionais e permite que elas cicatrizem, consegue ajudar a cicatrizar a ferida de outras pessoas e se coloca a serviço da vida, fazendo-a fluir de forma mais leve e consciente”, convida a psicoterapeuta que integra a equipe do Núcleo de Terapia Jordan Campos.

0 comentários :

 

Paparazzo

Paparazzo
É DO SALVADOR NOTÍCIAS!

Carnaval

Carnaval
Blog do Carnaval

Eventos

Eventos
Revista (Let's Go)

São João

São João
Arraiá do Salvador Notícias é aqui!
SALVADOR NOTÍCIAS
Todos os direitos reservados desde 2000-2023 / Salvador - Bahia / . Contato: redacao@salvadornoticias.com Instagram: @salvador_noticias_oficial
- Topo ↑