Seja bem-vindo. Hoje é

segunda-feira, 18 de dezembro de 2023

Reprodução assistida ajuda casais com HIV ou sorodiscordantes

 
Imagem: Pixabay



Dezembro Vermelho: reprodução assistida ajuda casais com HIV ou sorodiscordantes a terem filhos sem o vírus


No Brasil, um milhão de pessoas vivem com o vírus HIV, de acordo com estimativa do Ministério da Saúde. Graças aos avanços da medicina e a evolução dos medicamentos antirretrovirais, hoje o HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) é tratável e o paciente consegue viver com a carga viral suprimida ou indetectável, sem transmitir o vírus e sem desenvolver a doença, a Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS). Ao contrário de quando surgiu, nos anos 80, o diagnóstico do HIV não é mais uma sentença de morte e os portadores do vírus podem levar uma vida normal, trabalhar, constituir família e ter filhos.

 

Com o avanço nos tratamentos de pessoas portadoras do vírus e com a ajuda das técnicas de reprodução assistida, o casal soropositivo ou sorodiscordante (quando uma pessoa vive com o vírus e a outra não) pode ter filhos biológicos sem o risco de transmissão do vírus para o bebê ou da contaminação de um parceiro para o outro. No entanto, ao decidir ter filhos, é fundamental que o portador de HIV passe por uma avaliação clínica muito criteriosa junto ao infectologista, ginecologista ou urologista e especialista em medicina reprodutiva.


Nos casos em que a mulher é portadora do HIV e deseja engravidar, é fundamental que ela esteja com a carga viral indetectável e com boas condições clinicas e de imunidade. Além disso, ela não deve amamentar para proteger o bebê de ser infectado pelo vírus. A via de parto deve ser criteriosamente escolhida com base na carga viral e na indicação obstétrica, sendo possível parto normal, desde que a carga viral esteja indetectável. “É uma gestação que exige um acompanhamento médico muito individualizado e cuidados específicos”, esclarece a médica Gérsia Viana, especialista em Reprodução Humana e diretora do Cenafert – Centro de Medicina Reprodutiva.

 

Nos casos em que o homem é portador do HIV, antes da Fertilização in Vitro, é realizado o processamento do sêmen no laboratório de reprodução assistida, que permite uma separação da parte espermática (onde estão presentes as células de defesa e as partículas virais) dos espermatozoides. Essa espécie de lavagem, quando repetida por 3 vezes, torna as chances de se encontrar vírus na amostra próxima de zero. Então esse sêmen "livre do vírus" pode ser utilizado com segurança. Dessa forma, o risco de transmissão horizontal (entre os parceiros) e vertical (entre a mãe e o feto) seria mínimo. O método é utilizado quando apenas o homem está infectado e permite que o casal sorodiscordante gere filhos sem riscos de contaminar a mulher e o bebê.


0 comentários :

 

Paparazzo

Paparazzo
É DO SALVADOR NOTÍCIAS!

Carnaval

Carnaval
Blog do Carnaval

Eventos

Eventos
Revista (Let's Go)

São João

São João
Arraiá do Salvador Notícias é aqui!
SALVADOR NOTÍCIAS
Todos os direitos reservados desde 2000-2023 / Salvador - Bahia / . Contato: redacao@salvadornoticias.com Instagram: @salvador_noticias_oficial
- Topo ↑