Seja bem-vindo. Hoje é

quarta-feira, 13 de dezembro de 2023

Síndrome genitourinária afeta vida de mulheres na menopausa


 Síndrome genitourinária afeta saúde e qualidade de vida de mulheres na menopausa


CAM Oncoclínicas traz tecnologia a laser para o tratamento da síndrome que afeta de 36% a 90% das mulheres entre o início do climatério e a pós-menopausa


Salvador, 11 de dezembro de 2023 - Um dos principais incômodos que afetam a saúde das mulheres na fase da menopausa é a síndrome geniturinária ou urogenital. Decorrente da deficiência de estrogênio, a síndrome é um conjunto de alterações e sintomas que ocorrem nos órgãos do trato urogenital feminino e que são muito comuns a partir do climatério até a pós-menopausa, com prevalência entre 36 a quase 90%, de acordo com estudo publicado pela Febrasgo - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.


Anteriormente chamada de “atrofia vulvovaginal”, o termo síndrome urogenital foi criado pela Sociedade Norte-Americana de Menopausa. Apesar de estar associada à menopausa, a síndrome também pode acometer mulheres que estão amamentando ou estão em tratamento de alguns tipos de câncer que comprometem a produção de estrogênio.


“Trata-se de uma síndrome crônica e complexa que costuma se agravar com a idade, se não for tratada de maneira adequada. É diferente de outros sintomas da menopausa que são temporários ou diminuem com o tempo,”, esclarece o ginecologista Airton Ribeiro, diretor médico da CAM Oncoclínicas. 


 


Sintomas


Dor e ardor ao urinar, vagina ressecada, desconforto no ato sexual, coceira, infecções urinárias de repetição e até urgências para urinar são alguns dos sintomas da síndrome. “A redução natural do hormônio que acontece com a chegada da menopausa promove alterações morfológicas na vulva, vagina, uretra e bexiga, causando redução da irrigação sanguínea e afinando os tecidos destes órgãos”, explica Airton Ribeiro.


“Os sintomas podem ser leves, moderados ou graves e a síndrome costuma impactar não apenas a função geniturinária, mas também compromete a vida sexual, a autoestima, os relacionamentos e a qualidade de vida da mulher”, pondera o médico.


De acordo com o Consenso publicado pela Febrasgo, 64% das mulheres na pós-menopausa relataram perda de libido e 58% evitaram qualquer intimidade sexual. No Brasil, 44% das mulheres consideram que os sintomas vaginais comprometem sua autoestima.


 


Tratamentos


Os tratamentos podem variar de acordo com as necessidades individuais de cada paciente, sendo os principais o uso de estrógenos locais, hidratantes vaginais e o laser vaginal.


Com o avanço da medicina, a tecnologia do laser ginecológico, disponível no Grupo CAM, é uma alternativa para tratar a saúde intima da mulher e melhorar qualidade de vida das mulheres que não podem ou não querem se submeter a tratamentos hormonais.


Praticamente indolor, a terapia consiste na aplicação do laser (ERBIUM ou CO2) em sessões mensais por 3 a 4 meses, e depois sessões únicas de manutenção de uma vez por ano. “É um tratamento ambulatorial, minimamente invasivo e praticamente indolor”, finaliza Airton Ribeiro.


0 comentários :

 

Paparazzo

Paparazzo
É DO SALVADOR NOTÍCIAS!

Carnaval

Carnaval
Blog do Carnaval

Eventos

Eventos
Revista (Let's Go)

São João

São João
Arraiá do Salvador Notícias é aqui!
SALVADOR NOTÍCIAS
Todos os direitos reservados desde 2000-2023 / Salvador - Bahia / . Contato: redacao@salvadornoticias.com Instagram: @salvador_noticias_oficial
- Topo ↑