Seja bem-vindo. Hoje é

sábado, 10 de outubro de 2020

Prefeitura e Iphan discutem revitalização do Centro Histórico de Salvador


 A Prefeitura, por meio da Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional na Bahia (Iphan-BA) discutiram, nesta quinta-feira (8), o programa municipal de moradias do Centro Histórico, que tem como objetivo recuperar casarões em estado de degradação e transformá-los em domicílios. A medida visa proporcionar, ao mesmo tempo, revitalização e novo aspecto à região mais antiga da cidade. 


Com o tema, "Centro Histórico - fortalecimento de vínculos como forma de prevenção", o debate integra a programação da “Semana Nacional de Desastres, evento organizado pela Defesa Civil de Salvador (Codesal) em parceria com a Secretaria de Sustentabilidade, Inovação e Resiliência (Secis). O bate-papo mediado pelo arquiteto urbanista Ernesto Carvalho foi realizado no canal da Codesal no YouTube.


Para a presidente da FMLF, Tânia Scofield, é fundamental entender a dinâmica do Centro Histórico, que tem pontos muito peculiares. “Naquele local temos música, dança e grande movimentação de grupos sociais. Entendemos que a preservação está diretamente ligada à movimentação de pessoas, mas não apenas no aspecto cultural. O grande desafio é fazer acontecer o programa de habitação, que vai viabilizar a conservação das edificações e a recuperação dos imóveis abandonados. Precisamos ofertar condições para que as pessoas trabalhem, morem e viviam no Centro Histórico”, frisou. 


O programa de habitação terá três fases, sendo que a primeira delas abrange a área que vai da Igreja do Corpo Santo (esquina com a Praça Cairu) até o Plano Inclinado Gonçalves. A segunda fase vai do Plano Inclinado Gonçalves até a Associação Comercial da Bahia, Por fim, a terceira compreende a região do Plano Inclinado Pilar, próximo à Praça Marechal Deodoro. Inicialmente, a iniciativa está focada na primeira fase. A FMLF já identificou 17 imóveis desocupados ou subutilizados (com apenas o térreo sendo utilizado), com potencial construtivo para 200 apartamentos. 


De acordo com a presidente da FMLF, outra questão importante para assegurar o desenvolvimento do Centro Histórico é criar a ambiência da moradia, ofertando a estrutura para o funcionamento de um bairro. “Não basta apenas ter o espaço físico para morar. Tem que ter a padaria, a farmácia, o açougue, o bar que a pessoa frequenta. São desafios que precisam ser trabalhado com ações”, destacou Tânia. 


Pertencimento - Totalmente favorável ao programa de habitação, o superintendente do Iphan-BA, Bruno Tavares, endossou as palavras da presidente da FMLF. “Se as pessoas passam a morar, têm sentimento de pertencimento, cuidam, preservam. Aquela localidade precisa está habitada”, reforçou. Ainda segundo ele, a Prefeitura e Iphan têm sido parceiros na política de prevenção de desastres, principalmente na região do Centro Histórico. 


Programação  – Nesta sexta-feira (9) se encerra a Semana Nacional de Redução de Desastres. Os debates serão presenciais, com temas voltados para os engenheiros e arquitetos da Codesal e dos órgãos parceiros. As atividades ocorrerão no auditório da sede do órgão, na Avenida Bonocô, das 8h30 às 15h.




--


0 comentários :

 
SALVADOR NOTÍCIAS - Notícias, Reportagens, Cultura e Entretenimento.
Todos os direitos reservados desde 2003-2019 / Salvador - Bahia / . Contato: redacao@salvadornoticias.com
- Topo ↑