Seja bem-vindo. Hoje é

quinta-feira, 4 de abril de 2019

“Semana da Língua Alemã” é celebrada em Salvador

Exposição, aulas experimentais, lançamento de livro, palestra e filmes estão na programação
 
De 5 a 14 de abril, o Brasil vai vivenciar a quarta edição da “Semana da Língua Alemã”, uma ação das Embaixadas da Alemanha, Áustria, Bélgica, Luxemburgo e Suíça que reunirá mais de 550 eventos em todo o país. Em Salvador, o Goethe-Institut Salvador-Bahia promove uma programação, quase totalmente gratuita, que inclui workshop, debate, exposição, aulas experimentais, lançamento de livro, palestra e diversas sessões de cinema. O objetivo é oferecer ao público a oportunidade de conhecer a beleza e a diversidade do idioma, despertando o interesse dos brasileiros para a língua mais falada da Europa.
 
A partir do dia 5, o instituto acolhe a exposição “Mitos Berlinenses”, em que o premiado ilustrador Reinhardt Kleist exibe a história e histórias de Berlim. Os quadrinhos – ora emocionantes, ora engraçados – estão profundamente enraizados no folclore da metrópole. A visitação segue até o dia 20 de abril, de segunda a sexta, das 9h às 20h, e sábados, das 9h às 17h.
 
Curiosos e interessados também poderão ter aulas experimentais de alemão para testar primeiras noções do idioma. Basta comparecer ao Goethe-Institut em um dos dois horários: 8 de abril (segunda), às 17h, ou 10 de abril (quarta), às 15h.
 
O escrito baiano Moisés Alves lança, em 12 de abril (sexta), às 18h, na Biblioteca do Goethe-Institut, o livro “Coisas que fiz e ninguém notou mas que mudaram tudo”, que nasce a partir da ida do autor para Berlim, devido à bolsa Kulturmittlerstipendium 2018, concedida pelo Goethe-Institut Salvador. A partir da atitude de lançar o próprio corpo na situação de deriva, o artista ocupa e experimenta, via escrita, não só espaços, mas sobretudo o que movimenta as coisas da vida. Gestos, aromas, obras de arte e fantasmas da cidade atravessam os poemas.
 
E no dia 15 (segunda), às 19h, a palestra “Stefan Zweig – Vida, rupturas e exílio” encerra a programação, com Zichun Huang (Universität Jena/UERJ) e Dr. Paul Voerkel (UERJ/DAAD). Stefan Zweig, nascido em 1881 na Áustria e falecido em 1942 no Brasil, foi um dos autores de língua alemã mais traduzidos e lidos mundialmente. Pacifista e grande observador, sua vasta criação literária se destaca por um olhar minucioso e por capturar temáticas que são atuais até hoje. No evento, haverá a descrição de momentos históricos que marcaram a vida de Zweig e que o forçaram a deixar a sua pátria, em 1934. Serão integrados trechos de sua autobiografia intitulada “O mundo de ontem”, lidos em língua alemã e com tradução em Português, em busca de uma aproximação dupla tanto à obra quanto à pessoa de Zweig.
 
PROGRAMAÇÃO CINEMATOGRÁFICA – A comédia alemã “A Sala de Aula Voadora” (2003), de Tomy Wigand, vai ser exibida em 9 de abril (terça), às 15h, contando a história de Jonathan, um menino de 12 anos que vai para o internato e faz amizade com um grupo de garotos aventureiros que decidem descobrir o mistério por trás do desaparecimento de um escritor.
 
Já no dia 11 (quinta), às 10h30, a Unijorge recebe sessão do filme “A Medição do Mundo” (2012), de Detlef Buck, para celebrar os 250 anos de nascimento de Alexander von Humboldt. No início do século XIX, os cientistas Alexander von Humboldt e Carl Friedrich Gauß decidem estudar o mundo. Apesar do objetivo ser o mesmo, os seus métodos não podiam ser mais diferentes. Enquanto o investigador Humboldt viaja por continentes e faz medições, o matemático Gauß fica em casa e dedica-se aos seus cálculos. Anos depois, os dois se reencontram e refletem sobre as suas vidas.
 
Também no dia 11, às 19h, o Goethe-Institut lança o projeto “CineAlemanha”, um ciclo de filmes no Cinema do Museu, sala do Circuito Saladearte, com o drama “Em Trânsito” (2018), de Christian Petzold, aclamado como o maior cineasta alemão entre os realizadores revelados nos últimos anos. Adaptação livre do romance homônimo de Anna Seghers, cuja história, de 1942, é transferida para o presente, “Em Trânsito” conta a história de um grande amor quase impossível em meio a fuga, exílio e saudades por um lugar que se pode chamar de lar. As tropas alemãs estão se aproximando rapidamente de Paris. Georg, um refugiado alemão, foge para Marselha no último instante e assume a identidade de um escritor morto, chamado Weidel. Ele conhece a esposa do falecido, Marie, que não tem ideia da morte do marido e ainda espera por sua chegada. Mesmo que um caso amoroso se desenvolva entre ela e Georg, Marie mantém esse plano. Ao mesmo tempo, a situação política em Marselha está se tornando cada vez mais perigosa. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia), sendo esta a única atividade paga de toda a lista.
 
De volta ao Goethe-Institut, duas exibições celebram os 30 anos da queda do Muro de Berlim. Primeiro, em 12 de abril (sexta), às 20h, o filme “Coming out” (1989), de Heiner Carow, supostamente o primeiro filme da Alemanha Oriental com uma temática gay, traz o personagem Philipp, um jovem professor que está confuso sobre sua orientação sexual e é casado com uma colega para manter as aparências. Numa noite, ele entra “acidentalmente” em um bar gay e conhece Matthias, um jovem bonito de 19 anos que rapidamente se interessa por Philipp. Depois, no dia 13 (sábado), às 19h, “A lenda de Paul e Paula” (1972), de Heiner Carow, produzido na antiga República Democrática Alemã, que apresenta as más experiências com o amor dos personagens-título. Paul está financeiramente bem, mas perdeu todo o carinho por sua esposa. Paula leva uma vida problemática criando dois filhos sozinha. Eles se encontram e descobrem uma paixão muito forte um pelo outro.

0 comentários :

 
SALVADOR NOTÍCIAS - Notícias, Reportagens, Cultura e Entretenimento.
Todos os direitos reservados desde 2003-2019 / Salvador - Bahia / . Contato: redacao@salvadornoticias.com
- Topo ↑